Golpe de Vista

O Capitão “está de volta”


Hoje decidimos revisitar o passado. Fomos falar com alguém que fez todo o processo de formação num clube do concelho e que depois conseguiu atingir o sonho de ser profissional de futebol. A sua carreira ficou marcada por um golo ao Benfica, mas também por ter sido durante muitos anos o capitão do seu clube de sempre:o FC de Paços de Ferreira. Hoje a viver em França, acedeu a satisfazer a nossa curiosidade. Adalberto, aos 45 anos, recorda-nos mais de duas décadas de vida, que espelham as diferenças entre o ontem e o hoje.

 

Golpe de Vista (GDV) há quantos anos deste os primeiros pontapés e em que clube?

Adalberto – Foi em 1983 que dei os primeiros pontapés no Paços de Ferreira. Foi no ano que o Paços relvou o estádio pela primeira vez e como tal os treinos de captação foram em Figueiró.
GDV  Que condições tinham as camadas jovens nessa altura?

Adalberto – O Paços de Ferreira nessa altura não tinha campo para treinar pois o estádio estava a relvar e por isso mesmo treinávamos ou em Figueiró ou num terreno que tinha do outro lado da estrada que agora está cheio de vivendas. É verdade que foi por pouco tempo ate fazerem o campo de treinos pelado.
GDV – Era mais fácil chegar aos seniores ou não?

Adalberto – Eu acho que na minha altura era mais difícil chegar aos seniores pois não tínhamos as condições mínimas para la chegar.

 

GDV – Que diferenças encontras para o momento atual da formação?

Adalberto –  As diferencias que encontro são as condições que neste momento o clube tem e as que nós tínhamos na altura. Também acho que na minha altura as pessoas que estavam a frente das camadas jovens quer os diretores quer os treinadores tinham muito mais amor ao clube. Vivia-se o clube de uma forma especial.

 

GDV – Da tua geração quem conseguiu ser profissional de futebol?

Adalberto – Ao nível que eu cheguei só eu,  mas o Augusto, o Telmo e o Miguel Zuzarte todos eles jogaram nos seniores do Paços de Ferreira.
GDV – Dessa geração recordas-te de alguns colegas, que na tua opinião podiam ter chegado a profissionais?

Adalberto – Eu joguei 5 anos nas camadas jovens sempre com os mesmos jogadores e por isso mesmo fomos à fase final de iniciados ,juvenis e disputamos dois anos no nacional de juniores. Dessa equipa podiam sair mais jogadores mas como eu disse anteriormente nao era fácil chegar aos seniores. Mas vou deixar aqui alguns nomes que tinham qualidade para isso: Tó Miguel, Zé Luis e o Paulinho. Mas destes três nomes há que salientar o Tó Miguel que só não chegou aos seniores porque levou três anos de castigo num jogo contra o Leixões em juniores.

 

Depois de ter experimentado as funções de treinador, na época de 2012/2013, Adalberto Ribeiro, ” o capitão” vai vivendo o futebol pacense à distância, mas com a secreta esperança de um dia voltar e quem sabe seguir a carreira de treinador.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Prémio GdV – Finalistas

Nomeados finais para o Prémio GOLPE De VISTA 2017/2018